Dentro do Lean Six Sigma, existem métodos para realizar um mapeamento de causa-efeito, também conhecido como causa raiz. Vamos conhecer as três principais no post de hoje.

Antes de mais nada, é preciso esclarecer o que vem a ser o mapeamento de causa-efeito. Trata-se de um conjunto de ferramentas utilizadas geralmente para identificar as causas dos desvios das metas. Com o mapeamento, é possível descobrir a fonte das falhas e identificar as melhores soluções para corrigi-las. Da mesma forma, pode-se – a partir da identificação das causas – desenvolver ações preventivas, que impeçam a reincidência dos problemas.

Apesar de poder ser desenvolvido a partir de vários tipos de ferramentas do Lean Six Sigma, o mapeamento de causa-efeito apresenta passos específicos. São eles:

  1. Definir a falha
  2. Descobrir o que pode estar motivando-a
  3. Analisar as verdadeiras causas
  4. Implementar a solução encontrada
  5. Avaliar se os resultados foram realmente efetivos.

Métodos de mapeamento de causa-efeito

Separamos apenas os 3 principais métodos do Lean Six Sigma para realizar o mapeamento de causa-efeito. Confira a seguir:

 5-Why ou 5 Porquês

Um dos métodos de mapeamento de causa-efeito mais simples, porém de alta efetividade. Desenvolvido por Taiichi Ono na década de 50, foi criado para melhorar a qualidade dos produtos, visando atender às necessidades dos clientes.

Esta metodologia busca descobrir as causas de determinado problema perguntando os possíveis motivos cinco vezes. O número de perguntas obriga-nos a analisar o problema a fundo, o que facilita identificação da fonte do problema.

5-Why, porém, é mais indicado para resolver problemas simples e com poucas variáveis.

Diagrama de Pareto

Esta ferramenta, desenvolvida por Vilfredo Pareto foi adaptada para a melhoria contínua por Joseph Juran, um dos grandes expoentes na história da qualidade.

O Diagrama de Pareto segue o princípio de que a maior parte das perdas está associada a poucas causas de vital importância, enquanto uma série de causas triviais causam perdas menos relevantes. Portanto, a ferramenta parte da premissa de que a maior parte dos problemas podem ser resolvidos tratando apenas de poucas causas relevantes.

Todavia, para aplicar este método, é preciso construir um gráfico de colunas que organize os problemas e sua frequência em ordem decrescente. O objetivo é priorizar a resolução do problema que se revelar mais urgente.

O gráfico é desenvolvido com base em dados coletados em pesquisas ou bolhas de verificação, para que o problema seja identificado com precisão.

Diagrama de Ishikawa

Conhecido também como Diagrama de Causa e Efeito ou Espinha de Peixe, foi criado por Kaoru Ishikawa em 1943.

Este método de mapeamento de efeito-causa é uma representação gráfica em forma de espinha de peixe, que classifica as causas raiz das falhas.

Seu formato permite classificar as diversas causas por nível de relevância de forma prática, elencando seus efeitos sobre o resultado. Além disso, também pode ser utilizada para encontrar oportunidades de melhoria.

Estes são os principais métodos do Lean Six Sigma para mapeamento de causa-efeito. Se quiser aprender como realizar uma análise de causa raiz passo a passo, não deixe de ler este conteúdo.

Métodos de mapeamento de causa-efeito
Rate this post